17 de abr de 2013

Medo de Dentista? Os pais vão ajudar!

Hoje em dia as crianças vão ao dentista bem cedo, ainda bebês (ou deveriam!).
Nesta fase, o medo faz parte do amadurecimento emocional dos bebês agindo como sinal de alerta diante dos perigos. Sendo assim, é exatamente partindo do tipo de experiencia que obtiver ou que imaginar que o medo será gerado ou não.
Os pais precisam estar atentos aos sinais que seus filhos expoem para encontrar o equilíbrio entre o medo saudável, que irá protegê-lo, e o medo exacerbado, que se transforma em pavor!

Assim...
#
  # ...as crianças podem ter medos reais, causados por vivência da mesma em consultórios ou clínicas médicas, hospitais, creches, escolas, dentre outros... existindo correlação do que sofreu com o que poderá acontecer e sentir, é o medo verdadeiro.

#
  # ...ou podem criar medos e ansiedades derivados de algum estagio secundário, como medo de escuro, monstros ou mesmo observando pessoas ao redor do ambiente em que vivem. Podem ser os próprios pais, parentes, coleguinhas que passaram por experiências desagradáveis.

A primeira experiência em qualquer situação gera expectativas, tanto nas crianças quanto em adultos, não é mesmo?!
Ao levar seu filho pela primeira vez ao dentista, será exatamente assim... Expectativa!
Todos nós temos medo do desconhecido, lembrando que pode ser agravado com relatos de sofrimento no dentista.

Os pais devem ter muito cuidado ao levar seus filhos ao Odontopediatra. Qualquer expressão facial ou demonstração de insegurança pode ser desencadeadora de medo ou ansiedade na criança.
Quando marcarem a primeira consulta, os pais precisam conversar com o profissional para serem orientados como devem proceder.
Alguns exemplos: 
* Quando oferecemos um pirulito a criança pela primeira vez, retiramos o invólucro e o entregamos. Não ficamos falando que o " pirulito é bom, gostoso, bonito, doce...".
* No caso do Odontopediatra, a tendência dos pais é tentar minimizar a própria ansiedade dizendo: "O(A) Tio(a) dentista é legal, muito bonzinho(a), vai só olhar seus dentinhos, você vai gostar muito dele(a)."
Essas mensagens passam para a criança que os próprios pais: estão ansiosos, com medo do comportamento, medo de que a criança tenha medo, estão perdidos e não sabem o que fazer. Também não sabem se o dentista é bonzinho e por aí vai...
Diante deste contexto, a criança chegará para nós, Odontopediatras, assustadas, ansiosas, não nos olha, olhos pregados nos pais, o único porto-seguro!
A adaptação da criança ao Odontopediatra deve ser cautelosa e paciente, estabelecendo uma relação de confiança.
A criança precisa saber que está ali para ser bem tratada, para ter saúde, para uma educação à longo prazo e que ali está segura.

Conselho aos pais I

Após buscar o Odontopediatra que mais lhe agrada ou lhe dê segurança (Dica: você pode visitá-lo antes de levar sua criança)
 # Marque e leve seu filho informando apenas no dia da consulta que ele irá ao dentista para limpar os dentinhos e pronto!
 # Não faça promessas de presentes ou chantagens!
 # Outras informações só serão dadas se ele pedir. 
 # O Especialista estará apto para recebê-lo e orientá-lo da melhor forma possível.
 # Cada idade terá uma reação diante da nova situação de acordo com seu desenvolvimento psicoemocional.
 # Os pais devem ter em mente que o choro é uma situação normal, principalmente em crianças menores... É a liberação das tensões.

E atenção... Crianças que estão passando por fortes emoções como o nascimento de um irmão;  que já passaram por perdas de entes queridos, que tiveram contatos com a morte de alguma forma; que passaram por longos períodos de hospitalização... são crianças que podem sofrer regressão comportamental, o Odontopediatra deve ser informado para lidar adequadamente com a situação.

Conselho aos pais II

Caso a criança já tenha passado por alguma experiência desagradável com algum dentista, mesmo Odontopediatra, e o medo seja realidade:
 # Marque o dentista e avise-a apenas no dia que precisará ir a um NOVO Odontopediatra.
 # Converse, lhe dê atenção, ouça-a, deixe-a falar, mas não gaste tempo demais falando sobre isso para evitar que a criança fique ainda mais ansiosa.
 # Mude de assunto, distraí-a com brincadeiras e algo que ela goste.
 # Não faça promessas, como se ficar quietinha te dou uma bala quando a gente sair...
 # Não conte histórias, tipo sobre a bruxa má que levou o garotinho ao dentista e lá tinha fadas...
 Avise ao dentista sobre a experiência desagradável.
 # Não demonstre insegurança, não intervenha na consulta.


Lembre-se que em caso de medo real, a criança já teve uma experiência desagradável e neste momento será necessário enfrentar o próprio medo, construir uma nova concepção, uma nova adaptação, e contará com a segurança dos pais para lhe encorajar.
Note que segurança não significa interferência.
O Odontopediatra estará atento à criança, o medo excessivo causa reações fisiológicas perceptíveis ao especialista que reagirá como necessário.



Aconselhamos que crianças sejam tratadas por Odontopediatras, independente da idade, de ter ou não medo, pois estes estão preparados para qualquer situação junto aos pais!

9 de abr de 2013

Você tem um Amigo de verdade? Cuide dele!

"Amigos são assim... apertam o peito, nos guiam, soltam nossas mãos, nos deixam respirar! E NUNCA duvidam que estão nos melhores lugares das nossas almas"
por Fernanda Mamede Oliveira Pinto




# Jamais deixe de ser você mesmo. Quem o ama e admira vai aceitá-lo e respeitá-lo exatamente do jeito que você é.

# Pare de comparar-se. É injusto com você mesmo.

# Não tenha medo de dizer não quando for preciso. Ensine aos seus amigos a respeitarem suas opiniões, vontades e sentimentos.

# Seja bom, humano, justo, solidário, generoso e caridoso. Isso é diferente de ser "o (a) bonzinho (a)", que é o mesmo de ser bobo(a). É isso que irá definir  os limites entre amigo de verdade ou amigo abusado, que gosta de usar as pessoas. 

# Afaste-se de pessoas mentirosas, é inevitável que em algum momento elas vão mentir para você ou sobre você. 

# Cuidado com a fofoca! De uma forma ou de outra, ela acaba voltando-se para você.

# Saia da posição de vítima!

# Não permita que seus amigos comandem sua vida. Muitos irão apoiá-lo para que supere dificuldades, outros estarão apenas invadindo sua privacidade, sem interessar-se de fato. 

# Habitue-se a conhecer e reconhecer o valor de seus amigos, elogios verdadeiros fazem um bem enorme a todas as relações. 

# Respeite os seus amigos! Note-os, perceba-os!

# Não cobre atenção! Dê atenção, interesse-se por seus amigos, demonstre com palavras e atitudes como eles são importantes em sua vida. Perto ou longe conte o que sente, a falta que fazem.

# Seja um Amigo de verdade! 

2 de abr de 2013

Um Novo Dentista??? Procure certo!

Hoje atendi uma senhora que estava a procura de um novo Dentista!
Me contou que esteve em 4 antes de chegar à mim...
E os motivos de rodar tanto foram inúmeros, alguns sensatos, outros inacreditáveis e até cômicos...


Para ter saúde oral e geral a longo prazo é importante escolher um Profissional adequado.
Pensamos, pensamos e aqui estão algumas dicas para encontrar um "Dentista Legal"!

1. Procure um Dentista Clínico para acompanhar você a longo prazo, cuidar da sua saúde oral e entender todos os seus problemas e soluções.
* Você irá visitá-lo semestralmente, em média, e precisa confiar nesta interelação, então busque um profissional que você julgue ser amigável, compassivo para sentir-se completamente à vontade durante o atendimento. Você deve perguntar todas as dúvidas sem intimidar-se. Deve estar seguro ao conversar com ele e sentir que está recebendo os melhores cuidados orais.

2. Caso tenha filhos (as) entre 0 e 16 anos procure um Dentista Especialista em Odontopediatria.
* Este profissional está capacitado para relacionar-se com os seus pequenos com uma abordagem e linguagem diferenciadas. Está atento às alterações da idade e normalmente o Odontopediatra faz diversos cursos como psicologia para entender as mudanças etárias pelas quais passam os bebês, crianças e adolescentes.

3. Procure Referências.
* Ter uma boa reputação é algo que você precisa considerar ao escolher seu dentista. Comece perguntando aos amigos referencias pessoais, pergunte sobre suas experiências, essas são geralmente uma das formas mais confiáveis para se começar uma lista de potenciais profissionais a serem escolhidos.

4. Comece sua busca fazendo uma lista de dentistas recomendados pelas pessoas nas quais confia, como dito anteriormente, e alie à localização mais conveniente.
*Avalie cada um deles com base em suas preferencias e necessidades especiais.

5. Procurar inicialmente Odontopediatra em casos de crianças, pois é importante para estabelecer bons hábitos de higiene bucal já no início da vida.
*As crianças precisam sentir-se completamente a vontade e confortável durante a visita ao seu Odontopediatra.

 6. Caso seja maior de 16 anos, procurar o Dentista Clínico será o ínicio de uma reeducação relacionada aos hábitos de higiene bucal.
O Dentista Clínico realizará a consulta, e é durante ela que o profissional dará seu diagnóstico e devolverá ou manterá a sua saúde oral e geral. É neste primeiro contato que você precisa estar a vontade para tirar suas dúvidas, procurar saber sobre suas qualificações e dizer o que espera dele.
Esse será o seu dentista que cuidará da sua prevenção de doenças orais. É importante que além de tratar, ele mostre o motivo, causa da doença e lhe ensine a evitá-la evitando problemas futuros,
Esse também será o dentista que lhe encaminhará para um especialista caso seja necessário, deve estar apto para diagnosticar doenças e indicar o profissional mais adequado como endodontistas, implantodontistas, bucomaxilofaciais, protesistas, periodontistas... Com a indicação dele, certamente você ficará mais confiante. 

7. Valor do seu tratamento
* Caso o seu tratamento torne-se caro, dispendioso, você deve ter liberdade para conversar sobre planos possíveis de pagamentos, organizando-se com o seu dentista e planejando para que o seu tratamento torne-se possível!
* Lembre-se que prevenir não é caro.

8. Localização
* Ao procurar as referências com os amigos, procure saber o endereço, se lhe é conveniente.
* Se há estacionamento fácil.
* A localização irá interferir na marcação das suas consultas e na continuidade do seu tratamento.

9. Lista em mãos, avalie suas necessidades e preferencias pessoais e assim  poderá garantir que a sua decisão final foi a melhor para a sua saúde física e mental.

Atenção às emergências Odontologicas.
1. Verifique se o profissional tem formação para o atendimento.
2. Verifique se a clínica é idonea.